Aposentado de Curitiba cruza a América de Fiat 147 sozinho e volta cheio de histórias

Aposentado de Curitiba cruza a América de Fiat 147 sozinho e volta cheio de histórias

  • 18/06/2019 13:51
  • Redação/Assessoria

Se você estivesse com 67 anos, aposentado e fosse dono de um Fiat 147, o que faria da sua vida com o carro? Muitos diriam nada. Já o Alberto Carlos Fröhlich, morador ali do bairro Mercês, em Curitiba, decidiu rodar a América do Sul com o “autito” (carro pequeno, em espanhol, como muitos carinhosamente chamaram na viagem). Além do Brasil, ele passou por outros seis países: Argentina, Bolívia, Peru, Chile, Paraguai e Uruguai. Não faltaram aventuras e perrengues, como dormir com a polícia e correr o risco de congelar à noite no meio do deserto, sozinho, com o carro quebrado no meio do nada.

fiat-147-6

A viagem começou em 2 de dezembro de 2017 e terminou em 13 de janeiro de 2018, mas até hoje tem dado o que falar e rendido muitos convites para voltar à estrada, algo que Alberto nunca imaginou (olha lá o Instagram dele, o @147naamericadosul). E a viagem aconteceu completamente diferente do planejado. A ideia era levar de carro seu filho, sua nora peruana e um amigo peruano do casal até Lima, no Peru, para passarem o Natal com os familiares dela.

Mas, chegando em Foz do Iguaçu, onde tinham passado a primeira noite num camping, o filho de Alberto começou a ficar preocupado com documentos pessoais, com o peso do carro (pois o trajeto tinha muitas rampas) e com o atraso; com medo de não chegar em tempo para o Natal. Eram cinco mil quilômetros e que Alberto planejava chegar em 20 dias, a bordo do seu Fiat 147 ano 1980, motor 1.050 cilindradas e 57 cavalos de potência. “Mas eles três começaram a tirar a bagagem do carro, não quiseram nem carona pro aeroporto ou rodoviária”, lamentou Alberto, que chorou sozinho no camping, na segunda noite de estrada.

O que fazer?

“Na verdade, a viagem já não estava sendo muito legal mesmo, porque o peruano que ia na frente, era meio esparramado. Toda vez que eu precisava engatar a terceira, tinha que empurrar a perna dele”, riu o aposentado, que depois de chorar novamente contando tudo ao dono do camping, foi amparado e aconselhado a ficar ali mais uns dias e conhecer os atrativos turísticos da região da fronteira. Mesmo chateado e querendo voltar a Curitiba, aceitou a ideia. Passados alguns dias de passeios e de comprar “muamba” no Paraguai (até um “gatonet”), Alberto riu do seu portunhol, enquanto tentava se comunicar com outros turistas em San Inácio de Las Missiones e pensou: “Esse negócio tá ficando divertido”.

 

A mágoa com o filho já tinha passando e ele decidiu seguir o conselho da cunhada, que lhe telefonou, e botar o pé na estrada. E seguiu sem saber o rumo de amanhã, apenas com uma mala de roupas, uma caixinha de ferramentas, um colchonete, duas barracas e algumas peças extras do Fiat 147.

“Infierno”

Na primeira parte da viagem passou um calorão enorme nas cidades de Posadas e Corrientes, na Argentina. Quando chegou em Pampa del Infierno, via os ônibus passarem na estrada com a tampa do motor aberta, para ventilar. Ele mesmo precisou andar com o capô do Fiat 147 semi aberto. Estavam 42º C na região e em fevereiro a temperatura chega a 50º.

Bifurcação gastronômica

Na estrada, Alberto se deparou com uma bifurcação. Uma estrada ia para a cidade de Salta e a outra para San Miguel de Tucumán. Ao lado da bifurcação havia um trailer que vendia comida. Hora de almoço, o aposentado decidiu pedir um prato enquanto decidia para onde ir. “Era um trailer no meio do nada. Sabe quando você não espera nada do lugar? Foi a melhor comida da viagem, um caldo de frango com arroz e lentilha”, contou Alberto, que decidiu seguir para Salta.

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Celular roubado

Em Salta, Alberto teve o celular furtado. Hospedado num camping longe do centro, pegou um ônibus para visitar a cidade. Depois de andar no mercado público, foi conhecer uma igreja. Na hora de tirar o telefone do bolso para fazer fotos, cadê o celular? Os documentos ficaram. Os bandidos conseguiram tirar só o dinheiro e o aparelho.

Alberto foi à polícia fazer BO. Depois de olhar as câmeras do mercado e encontrar as cenas do furto, Alberto precisava bloquear o aparelho. Os policiais o levaram ao Ministério do Turismo, onde ele conseguiu ligar para a família resolver isto. A polícia ainda o levou a uma loja, para comprar um aparelho novo. “Mas na Argentina as coisas são muito caras. Um do mesmo modelo que o meu era 500 dólares. Acabei não comprando”, diz o aposentado, que ainda ganhou dos policiais uma carona de volta ao camping.

Saga do celular

 

Alberto continuava sem celular e sem destino, andando só com um mapa da América do Sul no carro, para ter noção se estava indo para o norte ou para o sul. Assim chegou na cidade de Yala, na província de Jujuy, na Argentina. A dona do camping onde se hospedou se engraçou com o “autito” (carro pequeno) e a aventura de Alberto e presenteou ele com um jantar em seu restaurante. “Você está lá parado no meio do nada e ganha um jantar regado à vinho argentino”, disse Alberto, agradecido. Mas a saga dele por um celular continuava e ele foi à cidade de Purmamarca, mais ao norte. Foi onde encontrou duas iguarias: o salame de lhama e o queijo de cabra. Como tudo na Argentina era muito caro, foi orientado a ir à Bolívia comprar o celular.

Medo da aduana

Até cruzar a fronteira com a Bolívia, Alberto tinha cinco horas de viagem e muitas montanhas a cruzar na região dos Andes. E ainda tinha o risco de perder as muambas que comprou no Paraguai, pois já havia sido alertado que a fiscalização na aduana era rigorosa. Alberto pegou o “gatonet” que comprou no Paraguai, enrolou em um monte de papelões e fitas durex. Também pegou as peças extras de Fiat 147 que levou para emergências e escondeu dentro dos forros das portas. Chegando na aduana, o fiscal foi direto na embalagem e perguntou o que ele tinha ali. Alberto respondeu que era um presente. “Estava tão bem enrolado que ele nem pediu para abrir”, diz. O fiscal também bateu em toda a lataria, mas não detectou as peças escondidas na porta.

Celular contrabandeado

Na Bolívia, Alberto chegou numa cidade e rodou as lojas pesquisando preços de um aparelho igual ao que ele tinha. A mais barata foi justo a primeira onde ele parou, e onde ele pediu um desconto à vendedora e ela não deu. O aposentado deu as costas e disse que ia pesquisar em outros lugares. Mas em todos, era sempre mais caro e ninguém dava desconto. “Aí eu pensei: putz, vou ter que voltar lá naquela gorda com cara de tonta. Engoli o orgulho e fui lá”, diz o aposentado aos risos. “Depois que eu paguei, ela me disse que eu não poderia levar a caixa e que os acessórios do aparelho eu tinha que espalhar no carro e na bagagem, porque se a polícia me pegasse, recolhia o aparelho, porque era contrabando”, disse Alberto, que seguiu a orientação da lojista e tirou um monte de fotos, logo que saiu da loja, para caso fosse parado, tinha como provar que o aparelho já vinha com ele de longe.

Agora, o pneu!

Apesar dos quase 40 anos de existência, maior problema do carro durante a viagem foi o pneu furado. Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná

O aposentado conta que as estradas na Bolívia são mal conservadas e com muitas rampas, onde o pneu patina. Numa destas subidas, o pneu estourou. Ele colocou o estepe e saiu rodando, mas com medo de perder mais outro pneu ali no meio do nada. A saga agora era por consertar o pneu. Então viajou até São Pedro de Atacama para procurar um borracheiro, pensando se tratar de uma cidade grande. “Aqui no Brasil quase todo mundo já ouviu falar dessa cidade. Cheguei lá, era menor que o centro de Almirante Tamandaré e só tinha um borracheiro, que disse que meu pneu não tinha conserto. Eu teria que comprar um novo e ele não tinha aro 13”, apavorou-se Alberto.

fiat-147-7

Procurando gasolina

As cidades grandes mais próximas, onde Alberto encontraria lojas de pneus, ficavam no Chile. Então ele decidiu cruzar a fronteira. Em condições normais, o 147 fazia 16 ou 17 quilômetros por litro. Mas ali na Cordilheira dos Andes, caía para 8 quilômetros por litro. O único lugar onde havia combustível no caminho era a cidade de Susques, ainda na Argentina. E não era nem um posto de combustíveis, era a casa de um homem que morava lá. E quando Alberto chegou, não havia gasolina, só álcool. Ele teve que esperar algumas horas, pois o combustível estava para chegar. No entanto, aquilo atrasaria sua chegada ao Chile.

Fronteira “quase” fechada

Depois que abasteceu, pegou a estrada e numa cidade do caminho, parou para perguntar se a fronteira estava longe. A dona de uma loja falou que ainda faltava mais uma hora de viagem, porém a polícia fechava a fronteira durante a noite, pois ali era rota de tráfico de drogas e contrabando. Alberto não chegaria em tempo e bateu o desespero. Mas a dona da loja conhecia o pessoal da fronteira, telefonou a eles, explicou a situação de Alberto e pediu que esperassem. “Eu entrei no meu carrinho e chispei fora. Já fazia meia hora que a fronteira deveria estar fechada e eles estavam me aguardando”, comemorou o aposentado.

 

  • Fonte: Tribuna PR
Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para nossa equipe pelo WhatsApp (46) 9 9914-8269 ou entre em contato pelo E-mail contato@amperenoticias.com.br.

Compartilhar: